Autopoeta

CIDADANIA X CORRUPÇÃO

Posted in consciência, sociedade by autopoeta on dezembro 9, 2015

fractal 08

 *

 

A atual situação política brasileira é uma grande oportunidade para superarmos antigos e envelhecidos modelos políticos e ampliarmos a noção de cidadania. A união pela democracia nos oferece uma singular oportunidade para transcender as dicotomias que, por muito tempo, cindiram/cindem a humanidade:

(more…)

Anúncios

CONSPIRAÇÃO NÃO-VIOLENTA

Posted in consciência, sociedade by autopoeta on outubro 11, 2013

‘Mais do que trazer uma solução, estimulo a conspiração, mais do que buscar respostas, incentivo as perguntas.’

Estudantes de Nashville usam de estratégia não-violenta para por fim à segregação racial nos EUA na década de 1960.

Estudantes de Nashville usam de estratégia não-violenta para por fim à segregação racial nos EUA na década de 1960.

Acompanho atentamente as manifestações populares que pipocam ao redor do globo e tenho me ocupado em presenciar, na medida do possível, as passeatas e outros atos públicos em resposta aos desmandos e aberrações culturais que se manifestam atualmente.

Ao escrever artigos como este, tenho como intuito semear novos olhares que apoiem os grupos organizados a se orientarem de forma não-violenta, desocupando as mentes do combate aos inimigos e direcionando a mesma energia que seria usada para a guerra no sentido de criar estratégias e planos de ação. (more…)

REFLEXÕES DE UMA PASSEATA

Posted in consciência, sociedade by autopoeta on outubro 9, 2013
Foto de Pedro Kirilos (Agência O Globo)

Foto de Pedro Kirilos (Agência O Globo)

Estive presente na manifestação em apoio aos professores e pela educação no Brasil acontecida nesta segunda-feira, dia 7 de outubro de 2013.

Não me espantei com esta foto e tampouco com a estimativa de 50 mil pessoas, pois de fato havia muita gente na Avenida Rio Branco.

A passeata foi um movimento festivo, um espetáculo da diversidade, muita gente diferente manifestando-se por uma causa consensualmente considerada muito relevante para a evolução da sociedade, ou seja, aspectos positivos em meio à turbulência da atualidade.

Cheguei em casa, contudo, com uma forte sensação de que tudo pode ser mais coerente e efetivo. E a conclusão que alcancei é que se entoarmos mais cantos em favor da vida, da educação, das virtudes, da nossa força de ação, do que nos conecta, provavelmente ganharemos vitalidade, coesão e eficácia.

Ontem predominaram os repetitivos ataques aos políticos advindos dos microfones e megafones dos líderes das instituições sindicais e políticas e o coro da população. Cabral e Paes como unânimes alvos, e Dilma, cujos ataques em sua direção não alcançavam a mesma intensidade.

Aquele ditado que diz “falem mal, mas falem de mim” ressoou em mim de uma forma um tanto nefasta.

Foram cantados sequencialmente dezenas, centenas de gritos de guerra e revolta, tal como o “Eu não aguento mais/ Sergio Cabral e Eduardo Paes”, e com isso, vejam o contrassenso, evocamos a presença dos dois o tempo todo.

Acompanhem a reflexão: dar peso e destaque tão evidente a estas pessoas é como retroalimentarmos a presença delas entre nós, algo antagônico ao nosso desejo mais profundo de nos vermos livres do poder sombrio que elas exercem hoje.

Além disso, a atenção toda voltada para o combate aos políticos traz um peso desnecessário que nos impulsiona à raiva e à agressão como forças motrizes.

Será esta estratégia inteligente e/ou producente?

A sensação que me toma é que se concentramos a energia de manifestação no sentido da violência, acabamos por retroalimentar a violência do Estado e da polícia.

Sim, existe uma energia agressiva habitando os corações de boa parte das pessoas que ali se manifestavam. Algo como uma herança cultural de nossa raiz ameríndia entranhada em nossa condição de povo mestiço lutando contra a opressão. E reconheço-a como uma força de resposta visceral legítima a qual devemos honrar.

Sinto, contudo, que podemos destinar menos energia aos inimigos e mais energia às forças de integração e planos de ação propositivos visando higienizar as esferas do governo e fazer as reformas que tanto necessitamos.

Tenho uma intuição de que não será preciso a guerra para sermos bem sucedidos na reforma.

Bastam inteligência, capacidade de organização e confiança mútua. E que possamos nos apoiar nos valores humanos e nas virtudes universais que nos fornecem um chão firme e partilhado.

Na medida em que as manifestações tornam-se mais educativas, culturais, celebrativas e organizativas, damos menos espaço para a violência de ambas as partes.

Sinto que é nessa direção que devemos caminhar: fazer dos encontros da multidão espaços de aprendizagem, trabalho coletivo e diversão para enriquecer e trazer eficiência aos nossos impulsos de revolta e combate.

Não tenho claramente o quê e como fazer para que estes objetivos sejam alcançados, mas lanço sementes de não-violência no terreno das manifestações populares.

Estes apontamentos são, na verdade, reflexões intempestivas da madrugada de um tempo incerto e instável.

De tudo, duas convicções:

Primeira: a violência não acabará com violência.

Segunda: para além destas questões levantadas, acredito no poder de transformação cultural da multidão organizada e estarei na próxima convergência, fazendo aqui um chamado aos irmãos e irmãs para que sejamos novamente milhões nas ruas, pela educação e pela dignidade do povo brasileiro.

Fraternalmente,

Filipe Freitas

O PRINCÍPIO DA AUTORREGULAÇÃO

Posted in ciência, consciência, sociedade by autopoeta on agosto 30, 2013
humanus_autorregulacao12

Water Lilies, 2013 – http://ryanmcginley.com/

ˆˆˆˆˆˆˆ

Autorregulação é aqui compreendida como o conjunto de reações fisiológicas coordenadas que mantêm o equilíbrio dinâmico do corpo*, engendrando estados de saúde e bem-estar.**

Este princípio dispõe de uma base biológica sólida e praticamente irrefutável. Walter Bradford Cannon, biólogo que cunhou a palavra ‘homeostase’, fala de uma ‘sabedoria do corpo’: “a autorregulação constitui o fato biológico por excelência”.

Wilhelm Reich pode ser considerado o ‘cientista da autorregulação humana’, visto que este princípio é proposto com uma constância excepcional em seu trabalho e ocupa um lugar central em seu pensamento.

Como psicanalista e clínico, Reich aplicou o princípio da autorregulação de maneira concreta, original e eficaz. Nas palavras de seu biógrafo Roger Dadoun:

“O indivíduo, quando consegue prescindir em certa medida das resistências e inibições neuróticas, das pesadas sublimações morais, da angústia sexual, descobre uma capacidade maior para a autonomia, para a realização de equilíbrios dinâmicos, flexíveis, uma melhor regulação de sua existência: no trabalho, no amor, nas relações com os outros; tudo acontece como se o afrouxamento da ‘couraça’ liberasse uma espécie de competência espontânea, uma aptidão para autodeterminar-se, aniquilada, atrofiada ou neutralizada pela influência das instituições sociais e dos modelos culturais”.

Reich dizia: “As energias vitais, em condições naturais, têm uma regulação espontânea. Isso acontece no homem e em todos os outros organismos viventes”.

Para Reich, a autorregulação assegura a circulação energética, a articulação pertinente, os vínculos esclarecedores. ‘Vivente’, ‘vital’, ‘natural’, ‘biológico’, ‘espontâneo’, ‘vegetativo’, são os grandes conceitos que sustentam seu pensamento.

(more…)

FORA DO EIXO E A TRANSIÇÃO CULTURAL

Posted in arte, consciência, sociedade by autopoeta on agosto 17, 2013

arte_plantando musica

Li há pouco o extenso documento produzido por Pablo Capilé em resposta às 70 perguntas feitas pelo jornalista André Forastieri e me senti impelido a trazer algumas ideias acerca deste interessantíssimo debate que emergiu desde a entrevista que Pablo e Bruno Torturra concederam ao Programa Roda Viva, no dia 5 de agosto.

Primeiramente gostaria de comentar sobre o tom intimidador das perguntas do André. Senti-me em um tribunal da inquisição na Idade Média, assistindo a uma saraivada de questionamentos visando acuar o entrevistado, como se fosse uma bruxa ou um herege.

Vejo um tom enraivecido muito singular nas manifestações críticas sobre o Fora-do-Eixo e me ponho a investigar de onde vem essa fúria.

(more…)

EXALAI – MOVIMENTO PELA NATUREZA DA MULHER

Posted in arte, ciência, consciência, sociedade by autopoeta on agosto 5, 2013

… que se espalhem em espiral ascendente as mulheres livres a deixar fluir a essência que expressa o primor da criação natural.

∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞∞

Amig@,

Aqui publico uma intensa e divertida reportagem de 2009 da Revista TPM, cujo teor dos textos expõe uma grande revolução de comportamento.

Após compartilhar esta reportagem semana passada, conversava com amigos e amigas sobre fundarmos um movimento social em prol da natureza da mulher (e da natureza humana em sua perspectiva mais ampla).

O Exalai – Movimento pela Natureza da Mulher é uma iniciativa visando novos olhares sobre a natureza humana e a vida em sociedade.

É um espaço de interatividade para homens e mulheres que reconhecem a beleza da natureza humana e buscam estilos de vida mais próximos a ela.

Esse sentimento fundador é muito mais um incentivo a atitudes e comportamentos que contemplem a verdade íntima de cada pessoa, associado a um trabalho educativo, do que uma negação dos artifícios modernos.

Não há um modelo a ser seguido, não há uma fórmula. O aprendizado se constitui nas habilidades de fazer valer o que é próprio de cada um, o que sensibiliza, traz alegria de viver. Ao mesmo tempo permitir que o outro seja também o que lhe faz sentido e lhe traz felicidade.

(more…)

SOBREVIVENDO AO PROGRESSO | SURVIVING PROGRESS

Posted in arte, ciência, consciência, sociedade by autopoeta on julho 16, 2013

Com imagens extraordinárias e insights inspiradores, Sobrevivendo ao Progresso é uma produção canadense de 2011, realizada pelos mesmos produtores de The Corporation.

“Ronald Wright, autor do best-seller “A Short History Of Progress” (Uma Breve História do Progresso), que inspirou este documentário, mostra como as civilizações do passado foram destruídas pelas “armadilhas do progresso” – tecnologias fascinantes e sistemas de crença que atendem a necessidades imediatas, mas comprometem o futuro.

Com a pressão sobre os recursos mundiais aumentando e as elites financeiras levando nações ao fundo do poço, poderá nossa civilização globalizada escapar da catástrofe – a “armadilha do progresso” final?

Através de ideias iluminadoras de pensadores que investigaram nossos genes, cérebros e comportamento social, este réquiem do modelo de progresso usual também propõe um desafio: provar que tornar macacos mais inteligentes não é um beco sem saída evolucionário.”

_________________________________

__________________________________

UMA FORÇA MAIS PODEROSA

Posted in ciência, consciência, sociedade by autopoeta on julho 1, 2013

Inspiração para este momento de reviravolta popular.

Episódios da história humana recente que nos trazem a convicção de estratégias mais eficazes que um contra-ataque bélico em direção à força opressora.

Seguem abaixo os links para os episódios da série Uma Força Mais Poderosa – Cem Anos de Conflitos Não-Violentos, exibida pelo GNT.

Vale conferir.

_________________________

A FORÇA DA MULTIDÃO É O GRANDE LEGADO

Posted in consciência, sociedade by autopoeta on junho 28, 2013

Padrao_movimento humano na terra

São muitos os aspectos dignos de atenção e reflexão neste momento histórico em que a população se dá conta de sua grandeza, aqui e em todo o planeta.

Estar em multidão nos faz sentir uma enorme força espontânea que emerge da mobilização, em uma magnitude sem precedentes.

(more…)

SOBRE AS MANIFESTAÇÕES POPULARES E O PROCESSO DE TRANSIÇÃO

Posted in consciência, sociedade by autopoeta on junho 17, 2013

[… que estas não se caracterizem simplesmente por quantidade de gente e volume de barulho, mas principalmente pela qualidade das relações e pela eficácia das atitudes.]

arte_comunicacao colaborativa na diversidade

_______________

Este texto começa a ser escrito ao constatar que estamos diante de uma força de supressão ordenada pelo Estado para conter as manifestações populares neste inverno de 2013.

Atos recorrentes de opressão à liberdade de expressão violam a constituição e afrontam a democracia e expõem a discrepância insana entre governo e sociedade, o primeiro a serviço de forças políticas e econômicas que representam 1% da população.

Penso que esta repressão violenta parece oriunda de um medo estrutural crescente que o governo e quem está por trás dele estão sentindo. Em algum lugar, já perceberam que a configuração em rede é soberana e esta se faz uma grande ameaça aos seus mecanismos de manipulação e controle.

Nutro uma convicção de que o fluxo dessa rede consciente emergente é inexorável e mais cedo ou mais tarde um novo paradigma integrador vai prevalecer e dissipará essa estrutura dominadora que parece parasitar o corpo da sociedade e o planeta Terra como um todo.

(more…)