Autopoeta

REVOLUÇÃO ESPANHOLA

Posted in consciência, eventos, notícias, sociedade by autopoeta on setembro 26, 2012

Leiam o manifesto divulgado pelos manifestantes do #25S que acontece hoje na Espanha, traduzido:

“Nós, pessoas comuns, cansadas de viver as consequências de um sistema condicionado e forçado a adaptar a si próprio aos mercados, o qual é em todos aspectos insuportável, e nos conduziu a sermos vítimas de um golpe em larga escala -o qual chamam ‘crise’. Nós nos unimos para redigir esse manifesto e convidamos todos os cidadãos a se unirem às exigências que aqui fazemos.

Consideramos que a situação atual ultrapassou todos os limites toleráveis e que somos vítimas de um ataque sem precedentes por parte do poderio econômico, que utilizando a crise como pretexto, estão arruinando nossas vidas. Os culpados são aqueles que se apresentam como oligarquia intocável, com a cumplicidade de todas as forças políticas representadas no parlamento, manipulando todos os instrumentos do Estado para manter seu privilégio e enriquecimento excessivo e ilícito.

Não há como esconder que vivemos numa gigantesca fraude social, com governos que sistematicamente nos traem fazendo exatamente o oposto do prometido em seus discursos eleitorais; e que não há justiça alguma para os banqueiros, políticos e empresários culpados por tal situação.
Nós acreditamos que o problema é de uma envergadura tal e suas raízes tão profundas que a solução não será fundamentada por reformas baseadas nos mecanismos do sistema político atual, por isso exigimos:

– A completa demissão do governo, assim como a dissolução das Cortes e da Chefia do Estado, por terem traíção ao país e à cidadania de forma premeditada, levando-nos ao desastre.

– A abertura de um processo constituinte transparente e democrático, a fim de redigir uma nova Constituição, com participação de todos os cidadãos, de maneira que lhes seja própria, pois não reconhecemos qualquer caráter democrático no atual texto constitucional, redigido por uma corja de costas para o povo, que consagrou a dominação dos herdeiros do franquismo e aqueles que com eles compactuaram. Deve ser o povo quem determina o modelo de organização social no qual quer viver e não o contrário.

– A auditoria da dívida pública da Espanha, com moratória para pagamento da dívida até que se tenha definido claramente aquilo que não deverá ser pago pela nação por ter servido a interesses privados que utilizaram o país para os seus próprios fins e não aos do conjunto de cidadãos espanhóis. Do mesmo modo, exigimos que sejam processadas todas aquelas pessoas que se demonstrem suspeitas de tais manobras, e que respondam com seus bens em caso de condenação.

– A reforma da lei eleitoral com o desenho de um novo processo eleitoral, a fim de que represente verdadeiramente a vontade do povo diante de qualquer eleição que seja necessária para facilitar o desenvolvimento de um processo constituinte democrático.

– A imediata suspensão de todos os cortes e reformas contra o Estado de bem-estar tomados com a desculpa da crise, e que supõem restrições de direitos e liberdade dos cidadãos, pois não somente são um desastre para o país, mas foram impostos pela traição à vontade popular.

– Uma profunda reforma fiscal, que faça pagar mais a quem mais benefícios obtém da sociedade. Igualmente, exigimos a abolição da anistia fiscal decretada pelo governo, cuja injustiça é uma verdadeira gozação com os contribuintes honrados.

– A supressão de todos os privilégios de quem ostenta cargos políticos ou públicos, e a implantação de mecanismos eficazes de controle no desempenho de suas funções.

– A paralização imediata de todos os desalojamentos, e a colocação à disposição da população a preço social dos imóveis em propriedade dos bancos e caixas que foram ajudados com as reservas públicas.

– A criação de novos empregos, cuja primeira premissa seja a sustentabilidade, e cujos fins sejam o desenvolvimento da humanidade, assim como a gestão coerente dos empregos disponíveis de tal modo que toda a população possa trabalhar e viver sem que se veja obrigada a viver para trabalhar. É um grande engano que se deva trabalhar cada vez mais, falácia sustentada na avareza dos grandes interesses e contrária aos interesses das pessoas comuns.

Por tudo que foi exposto, convocamos os cidadãos ao dia 25 de Setembro de 2012 a manifestarem-se de forma indefinida nas portas do Congresso até conseguir a demissão do Governo e a abertura de um Processo Constituinte, fazende deste, o chamado de união de todas as lutas por uma Sociedade mais justa.

Somos a imensa maioria, somos o povo, temos razão e não vamos deixá-los passar.”

********************
Anúncios